terça-feira, 31 de março de 2020

CRÓNICAS DO MEU VIVER OLHANENSE

  

                        A PROCISSÃO DA SANTA VERA CRUZ
                    Era na noite de 3 de Maio que em cada ano e muitos foram os anos em que levámos a participar a nossa filha primogênita, Armanda Maria, olhanense de nascimento (16 de Agosto de 1963) nesse cortejo que perante o cântico da petizada percorria as ruas da Fuseta, onde então residiam. A «Procissão da Santa Vera Cruz», então presidida pelo lembrado Pároco Padre Américo Gomes dos Santos, um bom pastor e dedicado amigo que tive a honra de ter, enchia de luz a «Branca Noiva do Mar», pelas centenas de tochas floridas que as crianças empunhavam. Cantavam a plenos pulmões na sua alegria infantil:
                                       «Santa Vera Cruz,
                                        Para todo o sempre,
                                        Amen, Jesus!»
                         Vem esta lembrança a propósito da fotografia, recentemente publicada, no seu excelente blogue com fotografias suas e do saudoso amigo Floriano Andrade («O fotógrafo oficial da Fuseta», que o foi durante décadas), pelo também artista fusetense José de Fátima Rocha Alexandre, tal como sua Esposa, «costeletas« (porque antigos alunos da Escola Tomás Cabreira) sobre a «Procissão da Santa Vera Cruz» e que algumas justificadas interrogações suscitou. Nela, entre as muitas crianças que então incorporaram o cortejo, divisamos o nosso lembrado aluno Osvaldo Picoito (um dos melhores alunos que ensinámos, neto do recordado Cabo do Mar, que sempre o conhecemos em serviço na Delegação Marítima da Fuseta) e que foi um promissor jogador de futebol do Fuseta e do Benfica, havendo deixado a carreira para se juntar a seus extremosos pais em Angola.
                        Não sabemos se em outras terras do Algarve se cumpria esta devoção, mas lembramo-nos de que em Faro, menino e moço que o éramos, saia da Igreja de ao Pé da Cruz, sendo seu Capelão o meu Amigo Cónego Joaquim Jorge de Sousa, naquele mesmo dia de 3 de Maio, a procissão em honra da Senhora de invocação daquele templo, envergando os participantes opas com a «Cruz de Cristo». Quanto a nós trata-se de celebrar a dita «adoração da Santa Vera Cruz», na qual o Senhor Jesus foi crucificado e que teria sido encontrada em 326 (DC) por Santa Helena, mãe do Imperador Romano Constantino, que foi o primeiro a permitir o Cristianismo.

                                                                                                     JOÃO LEAL   

segunda-feira, 30 de março de 2020

VIRUS - COVID-19 - EXPLICAÇÀO


Aqui está a explicação do virus, por um biólogo brasileiro. Credível, pois está em sintonia com a maior parte do que já sabemos, contudo vale a pena ler até ao fim.

As pessoas precisam de algumas referências para acreditar nas palavras de alguém. Pois bem, tenho 67 anos, sou biólogo aposentado, trabalhei na Seção de Raiva e Encefalomielite do Instituto Biológico de São Paulo, fui assistente do cientista Moacyr Rossi Nilson, trabalhei com o vírus da raiva, um virus que causa 99% de letalidade.
Trabalhei na Seção de Bacteriologia Animal também.
Sou professor de biologia.

Os vírus são muito menores que as bactérias e não são visíveis ao microscópio óptico comum MOC, só com microscópio eletrônico ME é possível visualizar e fotografar os vírus.
Para exames rápidos de diagnóstico da raiva usamos microscópia de imunofluorescencia mas não é um diagnóstico definitivo, requer confirmação e para tal injetamos o material suspeito no meio dos cérebros de 5 ratos brancos, espeta agulha na moleira do rato, afunda e injeta. Após 5 dias os ratos apresentam os sintomas da raiva e o diagnóstico se torna definitivo. Sou especialista nisso.
Bem, agora vou comentar sobre outro vírus.

Coronavirus é o nome de uma Família de vírus que se divide em dois Gêneros, o Gênero Alphacoronavirus que possui duas Espécies, a CCoV que causa gastroenterite em cães e a Espécie FCoV que causa peritonite infecciosa felina PIF, ambas doenças não atacam os humanos.

Família coronavirus, Gênero Betacoronavirus que contém três  Espécies que atacam os humanos:

Especie Mers-Cov
Causa a doenca Síndrome respiratória do Oriente Médio

Especie SARS-Cov
Causa a doença Síndrome respiratória aguda grave.

Espécie SARS-Cov 2
Causa a doença CoVID-19 essa que está nos atacando agora.

Muito bem...
Quando nos confrontamos com um inimigo, a primeira providência é examinar quais são  os pontos fracos do inimigo.

Esses vírus possuem uma estrutura extremamente primitiva e muito frágil. É apenas um filamento de RNA envolvido por uma película lipoproteica ou seja, uma fina membrana esférica de gordura e proteína, muito fina e que não é eficiente contra a desidratação e nem como isolante térmico. Ao ar livre o vírus desidrata, seca e morre.
Ele necessita sair do doente infectado e entrar pela boca, nariz ou olhos da vítima sadia e assim infectar mais um e causar a doença nele.

Na China constataram que esse virus se mantém vivo por algumas horas fora do corpo do doente e esse tempo de vida vai depender de onde esse vírus caiu após ter saído do corpo do doente.

Se esse vírus cair em um local exposto à luz solar, ele morre em minutos, se for sob o Sol do meio dia, morre em 2 ou 3 minutos, ele não suporta os raios ultravioleta e também desidrata rápidamente se tomar a luz do Sol diretamente. Em tempo nublado dura um pouco mais, talvez até  uns 15 minutos.

Se esse vírus sair do doente num lugar sem luz solar incidindo diretamente nele, um local sombreado como dentro de casa ou dentro de algum veículo e o vírus cair sobre papel, madeira, roupas e cabelos, ele sobrevive por 6 horas.

Se o vírus cair sobre superfícies lisas, sombreadas e frias como vidro, mármores, azulejos, metais lisos, ele sobrevive por 12 horas.

Mesmo sendo muito pequenos os vírus possuem algum peso e a tendência é cair assim que saem numa tosse, num espirro ou simplesmente uma pessoa falando está batendo a lingua no céu da boca e nos dentes e isso vai espirrando gotículas invisíveis  cheias de virus que saem da boca. Mesmo apenas a respiração do doente já é suficiente para liberar vírus no ar.

Estratégias explorando as fragilidades do inimigo:

1. Isolamento social.
Fundamental isso.
As pessoas não devem se aproximar. A pessoa infectada pode não apresentar sintomas mas está produzindo trilhões de vírus em seu organismo e esses vírus saem pela respiração dela.

2. Higiene correta.
Ao usar um transporte público durante uma epidemia, é 100% certeza que em suas roupas e cabelos existem vírus vivos da doença e se apenas (1) um desses vírus atingir as mucosas dos olhos, boca ou nariz, a pessoa será infectada.

Estratégia:
Tendo consciência disso, não passar os dedos nos olhos, na boca e nem no nariz.
Chegar em casa e não tocar em nada e nem em ninguém antes de lavar as mãos.

Retire a roupa que usou e pendure num local de pouco movimento e deixe a roupa lá por no mínimo 8 horas, lembre que sobre a roupa os vírus ficam vivos por 6 horas. Você pendura as roupas à noite e de manhã os vírus já estarão mortos e você poderá usar essas roupas novamente mesmo que não tenham sido lavadas.

3. Lave os cabelos.
Não vá dormir com os cabelos infectados.
 O vírus é altamente sensível ao pH básico do sabão, sabobete, detergente; o shampoo não é muito eficiente pH quase neutro, use sabonete nos cabelos, é melhor.

4. Ao tocar maçanetas, torneiras ou qualquer superfície lisa onde outras pessoas tocaram antes, em seguida não toque nos olhos, nariz nem boca, lave as mãos o quanto antes.

5. Mantenha sua casa restrita a sua família mais íntima, não receba visitas durante a quarentena. Não adianta você tomar todos esses cuidados se as visitas não fizerem o mesmo.

Se possível durmam em cômodos diferentes da casa.

6. Desinfetantes.
O vírus é altamente vulnerável a qualquer desinfetante, água sanitária, Lysoform, Pinho Sol e,  com destaque o álcool etílico porque esse pode ser aplicado sobre a pele mas os outros não. As autoridades recomendam  á população o uso do álcool gel 70° que contém 70% de álcool e 30% de água, recomendam esse porque esse não é explosivo, contudo quanto menos diluído for o álcool mais desinfetante ele é; em laboratório é comum usarmos o álcool 92° mas a venda ao público é proibida porque esse é altamente inflamável e explosivo mas contudo é esse que eu uso para mim mesmo, precisa ter muito cuidado para não incendia-lo, os acidentes com esse tipo de álcool costumam ser muito graves, a garrafa explode e incendeia tudo ao seu redor.
Existe também o álcool absoluto 100% álcool e 0% de água mas esse vai queimar a sua pele e é muito caro também.
O álcool 46° usado em limpeza é fraco mas é melhor que álcool nenhum, é útil para as mãos e limpesa de superfícies lisas.

7. Use máscara cirúrgica todas as vezes que sair de casa ou for se aproximar de outras pessoas.

Observações finais:

Esse vírus possui uma capacidade infectante extraordinária, esse é o ponto forte dele porém a doença que ele causa tem baixo índice de mortalidade se comparado aos piores vírus que existem.
Virus rábico da raiva, taxa de mortalidade de 99,9%.
Vírus Ebola taxa de mortalidade de 66%.

O vírus SARS-Cov 2 que
causa a doença CoVID-19 tem taxa de mortalidade de até 20% em idosos com doenças pré existentes, diabeticos, hipertensos, cardíacos, asmáticos, aideticos, pessoas em tratamento de câncer e principalmente transplantados imunodeprimidos.
Em adultos a taxa de mortalidade é de apenas 2%,  morrem principalmente os  fumantes, em crianças a taxa de mortalidade é praticamente zero % com raríssimas exceções.

Seleção natural:

Assim como ocorreu na epidemia  pelo vírus H1N1 a gripe suína, todas as pessoas pegaram o vírus, a maioria desenvolveu anticorpos e daí em diante ficaram imunes a essa doença.
Esse virus SARS-Cov 2 que
causa a doença CoVID-19
todas as pessoas vão pegar também, a maioria desenvolverá anticorpos e ficarão imunes porém nesse processo é necessário frear a velocidade de disseminação do virus porque se pegar em todos rápido demais o sistema de saúde não dará conta de socorrer 20% da população de idosos e 2% da população de adultos. Que todo mundo vai se infectar com esse vírus é certeza, as medidas restritivas que estão sendo tomadas são apenas para desacelerar a transmissão.
Sobreviverão os mais fortes e mais sadios, morrerão os mais fracos e mais doentes, a natureza funciona assim e não ha como mudar isso.

Redação de:
Luiz Augusto Vassoler
 - Biólogo -


Um arranjo de Roger


ABRIL         ANIVERSÁRIOS

1 – José Epifânio Aurélio Ramos; Jorge de Sena Cristina Aleixo; Manuel Francisco Uva Jacinto; Maria Solange Madeira Isidoro. 2 - Lília Rosalina Santos Matos. 4 -Álvaro Manuel Correia Ponte; João Vitorino Mendes Bica. 5 - Rui Patrício da Rocha Guerreiro. 7 – Maria da Piedade Coelho Santa Rita C. Correia; Laura da Piedade Braz.  9 – Maria da Conceição Carmo Sério; Maria Mabel R. Paiva Pires Gomes. 10 -  Silvino dos Santos Cabecinha. 11 - Estanislau Miguel Conceição Silva; José Domingos Barão; Ana Maria Nobre dos Santos Ramos Cavaco. 12 - João Vítor Jesus Martins; Marília Vicente Viegas Pedrinho Martins. 13 - José Paixão Neves Pudim; José Hermenegildo Mendonça Soares. 14 - António Belo Carvalho; Edéria Maria Apolo de Mendonça Gama.15 - José Travassos Machado. 16 – Maria de Fátima Silva. 17 - José Quirino Espírito Santo Cabrita; Augusto Maria Coelho. 19 - Amaranto José Cavaco Romão . 21 - Alberto Santos Pereira Rocha; António Guilherme; Anselmo de Jesus Nunes Correia. 22 –Maria Graciete Passos Valente Santos Transmontano de Carvalho; Maria Lurdes Simão Vale. 23 - António Jorge Pereira da Silva Gago. 25 – Umbelina Conceição Máximo Cavaco. Fernando Manuel Gomes Palma; José Francisco Coelho Cabanita. 26 – Fernando Manuel Gomes Palma; José Francisco Coelho Cabanita28 - Rui Nobre Rodrigues. 30 – Maria Graciete da Piedade Santos Ribeiro.

PARABÉNS A TODOS   (Sem virus)

domingo, 29 de março de 2020

LIVRO



«DA RIVALIDADE Á UNIÃO 
HISTÓRIA DO FUTEBOL EM SÃO BRÁS DE ALPORTEL»
CÉSAR CORREIA

Este é um livro, que de entre muitos outros, fazia falta á historiografia do futebol
sambrazense mas também a todo o contexto do Algarve, em si mesmo, mormente daquele
concelho do interior algarvio. Prorrogada a sua apresentação, prevista para o mês de Abril,
para data oportuna, por via da pandemia que ora se vive, ele vem preencher uma lacuna
que de há muito se fazia sentir e cujo tema central, «as rivalidades clubistas entre o Unidos
e o Desportivo», na segunda metade do século passado, bem como a história da modalida-
de entre 1913 (ainda São Brás de Alportel era freguesia do concelho de Faro) e 1970, eram
um desafio permanente a investigadores, alguns da Tribo do Futebol e jornalistas. Teve a
coragem de enfrentar este desafio e prestar mais um relevante e assinalado serviço ao fute-
bol regional e ao concelho a que está tão profundamente ligado há 8 décadas, a figura
maior da arbitragem algarvia, o internacional César Correia. No livro, editado pela Câmara
Municipal de São Brás de Alportel, a quem felicitamos pela oportunidade desta meritória
iniciativa, trabalhou afincadamente durante anos e, com aquela perseverância, empenho e
perfecionismo que, merecidamente, lhe são reconhecidos concluiu uma obra de invulgar
interesse.
César Correia, de quem em 2015, saiu a biografia «César Correia – o árbitro um ser
humano», da autoria dessa enorme figura do jornalismo algarvio, que é o Manuel Joaquim
Neto Gomes, é «a mais prestigiada figura da arbitragem algarvia». Nasceu a 1 de Abril de
1935 em Santa Catarina da Fonte do Bispo (Tavira), contado 85 anos de idade e bastante
moço se mudou, com seus extremosos pais, para a Mesquita Alta (São Brás de Alportel), a
que, não obstante as suas residências em Vilamoura e Quarteira, continua visceralmente li-
gado, quer como cidadão quer como empresário, de que foi destacada referência no sector
corticeiro. Na época de 1959 / 60 enveredou pela arbitragem, no início de uma carreira que
o levaria ao patamar maior a internacionalização em 1973 / 74 e terminando em 20 de No-
vembro de 1982, após 23 anos de «apito na boca» e conhecendo a direção de 23 jogos in-
ternacionais. Entre outras recebeu as seguintes distinções: «Medalha de bons Serviços
Desportivos» - Governo (1982); «Sócio de Mérito da Associação de Futebol do Algarve» -
1995); «Sócio de Mérito da Federação Portuguesa de Futebol» - 2014.
Segundo César Correia o livro de sua autoria - «Da rivalidade à união – história do
futebol em São Brás de Alportel» «retrata a história do futebol sambrazense, desde 1913 a
1970, inserida na conjuntura da época e enquadrada nos padrões de vida que eram apaná-
gio das gerações de então» e «define um tempo apaixonante por elas vivido nos seus anos
de infância, adolescência e maioridade, e recorda cinco décadas de memórias que se vão
esfumando na marcha do tempo».

                                JOÃO LEAL

COSTELETAS QUE NOS DEIXARAM




MARIA LISETA EUSÉBIO FRANCISCO SILVA

Faleceu em Faro, terra de sua naturalidade e residência, a nossa estimada
colega MARIA LISETA EUSÉBIO FRANCISCO SILVA, vítima de prolongada doença.
Contava 80 anos de idade e era, há muitas décadas, dedicada esposa do
nosso amigo e companheiro Gualdino Silva (ex – funcionário da EVA – Empresa de Via-
ção Algarve), a quem apresentamos, como a toda a Família sentidas condolências.
A saudosa colega, que era muito estimada pelas suas qualidades e senti-
mentos, foi dedicada e considerada funcionária da Direção de Estradas do Distrito de Faro
e, encontrava-se desde há anos aposentada.

JOSÉ LUZ SANTOS
Foi um dedicado interventor na vida política, cultural e associativa da Cida-
de de Faro, onde nascera há quase 85 anos, o JOSÉ LUZ SANTOS, que ora nos deixou.
Durante décadas foi um exemplar funcionário administrativo da FARAUTO, de que se en-
contrava aposentado. O saudoso extinto costeleta teve «um exemplar percurso cívico e po-
lítico como resistente antifascista e lutador incansável pela liberdade e pela democracia.
De «operário da palavra» foi designado e era galardoado com a «Medalho de Ouro – Méri-
to Municipal», pela Câmara M. de Faro e Sócio Honorário do Cine Clube de Faro, de que
foi dirigente, para além de outras distinções. Fundador da CIVIS (Associação para o Apro-
fundamento da Cidadania) e da COOPOFA (Cooperativa Popular de Faro) o «Zé Luz» foi
dirigente do Sporting Clube Farense, Correspondente da RTP e Colaborador de «JORNAL
DO ALGARVE» e esteve empenhado em muitas reivindicações algarvias, de modo pró-
prio a criação da Universidade do Algarve e a Regionalização.

QUE DESCANSEM EM PAZ

JOÃO LEAL

quinta-feira, 19 de março de 2020

INFORMANDO



CORANAVÍRUS = COVID-19

Para se proteger, o que deve fazer
Telemóveis - devem ser lavados com frequência.
Lavar bem - as rrãos com sabão esfregando bem durante mais de 20 segundos, rao esquecer os polegares, entre os dedos e as unhas.
Repita a lavagem - várias vezes ao dia depois de sair de um transporte público, supermercado, cinema, lojas, museus e local de trabalho.
Evite tocar - na cara com as mãos, Tenha junto de si lenços parra coçar o nariz afastar um cabelo ou uma pestana.
Não cumprimente - com beijos, faça um movimento coma cabeça ou acene coma mão, Está a proteger· se a si e aos outros.
Mantenha - uma distancia até dois metros de pessoas a espirrar ou com tosse. Ou que julgue que possa estar infectado e não permaneça numa sala fechada durante mais de 15 minutos.
 Se viajou - em avião com passageiro infectado a menos de duas cadeiras é considerado um caso de alto risco, informe a DGS e fique de quarentena.
 Esteja preparado - para ficar em isolamento social e armazene produtos alimentares essenciais para 14 dias.

A LINHA SNS 24 - 808 24 24 24.


Um arranjo de Roger

terça-feira, 17 de março de 2020

LEITURAS



PARA LER EM CASA DURANTE O ISOLAMENTO PARA ESCAPAR AO COVID-19
LIVROS QUE ESCOLHEMOS
A DIETA  DO QUE SE F•DA

Carolina Dooner
Fazer dieta não funciona. Pelo menos, a longo prazo. É isto que defende Carolina Dooner, que apresenta neste livro as falhas comuns a todas as dietas e oferece um caminho simples para resolver a sua relação física e emocional com a comida.

240 páginas
Preço 15,50 €

A GEOGRAFIA DO DINHEIRO

Dharchini David
De onde vem, para onde vai e o que acontece por onde passa o dinheiro? Descubra como funciona a economia global e as verdades económicas que estão por detrás daquilo que vemos nas notícias todos os dias.

240 páginas Preço 17, 70€
=============================================
ANDANÇAS COM HERÓDOTO 

Ryszard Kapuscinski
Um relato de viagem que faz reflectir sobre as fronteiras que nos separam e a humanidade que nos une. Se heródoto é o pai da história: Kapuscinski é o mestre da reportagem

248 pâginas
Preço 17,70 €
===========================================
A MARAVILHOSA VIAJEM DE NILS HOLGERSSON ATRAVÉS DA SUÊCIA

Selma Lagerlõf
Esta é a história de NILS, um jovem agreste que por uma ideia de acasos cavalga num ganso doméstico num voo nigratório de um bando de patos selvagens à Lapónia. Ao longo de mais de 700 páginas a autora convida - nos a embarcar nesta aventura até porque, como afirma, "a liberdade, a harmonia e a vida, são belas mas esquivas e diz-se que não gostam de esperar".

Páginas 700
Preço 18,80

Um arranjo de Roger

segunda-feira, 16 de março de 2020

MAIS UM COSTELETA QUE PARTIU


JOSÉ DE JESUS BACALHAU
Partiu

Com muito pesar informo que o meu pai, José de Jesus Bacalhau, sócio nº 200, faleceu no dia 4 de Fevereiro de 2020. Helena Rodrigues

À Helena, restante família e amigos, a Direcção da Associação apresenta sentidas condolências,

DESCANSA EM PAZ JOSÉ BACALHAU

INFORMAÇÃO

29º ANIVERSÁRIO  DA  ASSOCIAÇÃO


         Em virtude da situação que se está a viver neste momento, pelo País derivado ao coronavírus, alerto desde já todos os Costeletas e Sócios, que a Associação dos Antigos Alunos da Escola Tomás Cabreira está a ponderar suspender toda a programação do 29 Aniversário que teria o seu início no dia 11 de Abril assim, como no dia 17 de Abril com uma palestra seguida com uma tarde de poesia na Biblioteca Municipal e, que termina no dia 18 de Abril com uma visita guiada á nossa Escola, seguindo-se o almoço, entrega do prémio à melhor aluna do ano lectivo 2018 /2019, uma pausa para café e um doce finalizando com uma missa pelas 18.30 horas na Igreja de São Francisco por intenção de Professores, Funcionários e Alunos falecidos. Esta nossa decisão está relacionada com a deslocação de Costeletas de várias regiões do País mas, será melhor aguardar pela decisão final.
       Com um grande abraço de amizade Costeleta,

O Presidente da Direção

a) Florêncio Vargues

domingo, 15 de março de 2020

INFORMANDO



NOTÍCIAS DO TURISMO ALGARVIO

Foi Aprovado, na Assembleia Municipal de Faro, o «Regulamento do Parque de Campismo da Praia de Faro, cujas obras de renovação se encontram em curso. Como ino­vação o facto de, no período entre 1 de Abril e 31 de Outubro, a estadia não puder ser su­perior a 15 dias.

Roberto Sousa, de 19 anos, natural de Almodôvar, aluno de «Restauração e Bebidas» da Escola de Hotelaria e Turismo do Algarve, foi o vencedor, entre 200 participantes da 15" edição do “Bar Interescolas”, que se realizou em Viana do Castelo e vai participar no Campeonato Europeu, a decorrer em Novembro em Aveiro. Aquele estabelecimento de formação profissional foi a 3ª classificada e a melhor entre as suas congéneres portuguesas no «Tourismo Tomorrow Leadres», com uma equipa constituída por Joana Apolónia, Ra­faela Alexandre, Tiago Oliveira e Rui Horta, do curso «Gestão e Produção de Cozinha».

A associação «In Loco» realiza em _São Brásde Alportel, no dia 21 de Março, uma oficina de promoção que pretende «mudar a mente e preparar as mãos para a transição para um novo modelo de turismo», ajudando a criar produtos de ecoturismo com recursos locais.

Já está a ser utilizada na indústria hoteleira a água dessalinalizada, como é o caso do Vila Vita Pare, em Porches (Lagoa), que o faz desde 2015, produzindo 24 mil litros hora, quando um ano antes consumia 100% da rede pública, ora reduzido a 30%.

De 18 a 21 de Março vai decorrer no Hotel Vila Sol, em Vilamoura, o «Tourisrn Inteligence Forum», numa organização da Universidade do Algarve, em parceria com o Grupo Pestana. Entre os temas a discutir figuram as principais tendências e desafios do turismo na atualidade.

Encontra-se em fase de estudo a programação de voos diretos desde o Aeroporto de Faro para o Brasil, Estados Unidos da América e Sul de Itália.
                                                                                    JOÃO LEAL

TEMPOS IDOS




MONUMENTO AO PINTOR L YSTER FRANCO
No dia 20 de Abril de 1964 foi inaugurado em Faro o monumento em homenagem ao Pintor Carlos Lyster Franco, que foi diretor e professor da Escola Tomás Cabreira, eri­gido por admiradores e antigos alunos, em colaboração com a Câmara Municipal. Situa-se na praceta que tem o seu nome, na zona da Estação da C.P., entre as Ruas Ventura Coelho e Francisco Barreto. O monumento é da autoria do Arq. Villares Braga, com um medalhão esculpido pelo escultor Raúl Xavier.

HOMENAGEM AO DR. JORGE MONTEIRO
Preiteando o muito e merecido apreço pela sua ação como Professor e Diretor da Escola Industrial e Comercial de Faro foi prestada no dia 23 de Maio de 1965 e no decurso de um almoço, na cantina escolar, uma homenagem ao Dr. Jorge Monteiro. A homenagem incluiu também o descerramento de um retrato do homenageado, que quando cessou as funções na nossa Escola seguiu para Lisboa a fim de assumir as funções de Diretor Geral do Ensino Secundário.

«COSTELETAS» DISTINGUIDOS
NO «CONCURSO NACIONAL DE ARTE DRAMÁTICA»
No ano de 1965 decorreu, organizado pelo extinto S.N.I. (Secretariado Nacional de Informação) e em comemoração do V Centenário de Gil Vicente, o «Concurso Nacional de Arte Dramática», de que grande vencedor o Grupo de Teatro do Círculo Cultural do Al­garve (atual Grupo de Teatro Lethes). Para além de outros prémios relevantes foram dis­tinguidos, com o 1 º Prémio os «costeletas» Dr. Emílio Campos Coroa (Ensaiador), que foi médico escolar e professor de Higiene e Aurélio Madeira ( que representou o 1 ° Diabo), an­tigo aluno, hoje bancário aposentado, residente em Vila Real de Santo António. Também foi atribuído um «Diploma de Honra» ao saudoso e falecido jornalista Carlos Martins.

JOÃO LEAL

CRÓNICA DE JOÃO LEAL



DOIS GRANDES MÚSICOS OLHANENSES
O concelho de Olhão, terra de tantos lembrados «costeletas» (professores e cole­gas) foi-o sempre uma terra de grandes apaixonados pela música. Desde musicólogos famosos, entre os quais referimos o sempre lembrado médico Dr. Fernandes Lopes e o Dr. Perei­ra Leal (Diretor dos Serviços de Música da Fundação Calouste Gulbenkian) a uma plêiade de notáveis intérpretes, casos dos saudosos pianistas Mello, que acompanhava na RTP o ci­neasta António Lopes Ribeiro, os Casacas, pai e filho ou a famosa Raquel Correia, um dos nomes maiores do piano em Portugal. É-o também através das várias Bandas de Música, das quais continua em plena atividade e pujança, a de Moncarapacho ou de famosos con­juntos, dos quais atingiu assinalada e lembrada projeção «Os Pancas». Tal herança mantem­se em nossos dias com uma plêiade de destacados artistas, emergindo hoje para a nossa crónica quinzenal o
JÚLIO RESENDE, pianista nascido em Olhão, onde aos 4 anos come­çou a estudar nas teclas e, mais tarde, descobriria «que não ficava satisfeito em ser apenas um intérprete de peças musicais, em que não pudesse improvisar». Anos volvidos envereda pelo jazz, ao lado de nomes famosos como Mário Laginha, Rodrigo Gonçalves e Pedro Mo­reirá. Trabalha com os maiores mestres do mediático «Hot Club”, verdadeira catedral do jazz e outros locais míticos desta especialidade musical - New School for Jazz and Contem­porany Music, Berklee College of Music e Bill Evans Academy et Université de St. Dennis (Paris). Foi em 2007 que gravou o seu primeiro disco «Da Alma» para a editora «Jazz Clen Feed», destacando-se em 2015 o 5° álbum, «Fado & Furlher», com a famosa cantora catalã Sílvia Perez Cruz, uma das maiores vozes de Espanha. Há dois anos gravou o aplaudido «Cinderella Cylorg», considerado «um diálogo entre o humano e o desumano»,
E o DOMINGOS CAETANO, o mítico roqueiro do «Atira-te ao mar e diz que te empurrarem ... », nascido na Fuseta aos 63 anos, que recentemente (3 de Março de 2020), no programa da RTP 1 «Outras histórias - Música no Coração», transmitido em ho­rário nobre (2l h30m de 2ªs feiras) levou, uma vez mais, o nome da terra natal por esse mun­do em fora. O artista «que nunca quis trocar a Fuseta por Lisboa» continua igual a si mesmo - irreverente, generoso e solidário. Foi um verdadeiro autodidata no início e depois, haven­do frequentado entre mentes o Conservatório Regional Maria Campina e fundando em fi­nais de 1970 a aplaudida banda «Íris», que encheu os Coliseus de Lisboa e do Porto e soma êxitos após êxitos por todo o País., como o provam os «Discos de Ouro e de Prata» arrebatados.

JOÃO LEAL

INFORMANDO



ARPI COMEMOROU O «DIA DA MULHER»
O «Dia da Mulher», instituído em 1975 pela ONU (Organização das Nações Uni­das) foi festivamente comemorado na ARPI (Associação dos Reformados, Pensionistas e Idosos do Concelho de Faro), com duas atividades distintas mas englobadas no mesmo sentido. Assim decorreu uma excursão, acompanhada pelo Vice - Presidente, José Silva Silvério, no autocarro da Instituição, que passou por Loulé, com visita ao Santuário de Nossa Senhora da Piedade, Salir, Alte e Messines. Nesta Vila foi evocado o poeta João de Deus, na comemoração do seu 190° aniversário natalício e da sua poética de temática so­bre a mulher. Após o almoço, com a famosa «sopa de pedra da Dona Rosa», decorreu uma tarde de convívio e baile com outro grupo congénere. Nas magníficas instalações da sede da ARPI decorreu um almoço de confraternização, seguindo-se uma tarde recreativa. Na mesma esteve incluída uma curiosa passagem de modelos, sob a direção da «Professora Gertrudes» (Dona Maria Salgueiro) que desde há meses vem dando a sua notável colabo­ração a uma das mais dinâmicas associações seniores farenses, dando aulas de pintura em tela, dirigindo o «Grupo de Cantares de Sempre», a recuperação de vestuário antigo, etc. objetivando «dar movimento aos associados e fazer pensar». Em Junho terá lugar uma pro­metida «exposição monumental». Foi o Secretário da Direção, André Infante, que abriu esta «tarde cultural, de recreio e convívio», seguindo-se no uso da palavra o Presidente da Assembleia Geral, João Leal, que saudou as mulheres neste seu Dia, recordando as lutas das operárias em 1875 em Nova Iorque, os incêndios da Fábrica Textil Triangle e a Revo­lução de 1917, bem como as mulheres farenses Brites de Almeida (Padeira de Aljubarrota) e Maria Veleda. Seguiu-se a «passagem de modelos» onde figurou um vestido recuperado e com cerca de duzentos anos. Foi também declamado o magnífico poema «A Mulher» es­crito pela «Professora Gertrudes». Houve depois um animado baile.

SÉNIORES DE FARO
«VÃO AO SENHOR DOUTOR»
Visando alertar e sensibilizar a população idosa para os cuidados a ter em ter­mos nutricionais decorre no dia 31 de Março, a partir das l 5h45m a 1 ª palestra do ciclo «Seniores de Faro vão ao Senhor Doutor», numa iniciativa do Gabinete do Idoso da Câma­ra Municipal de Faro, aberta a todos os cidadãos com mais de 65 anos. Será conferente o médico Dr. Valério Rodrigues, que dissertará sobre «Nutrição».

JOÃO LEAL

TEMPOS IDOS



3 de Outubro de 1967 - Início do novo ano letivo, com uma sessão solene em que usaram da palavra os Drs. Jorge Monteiro e Almeida e Silva, respetivamente Diretor e Subdiretor da Escola Industrial e Comercial de Faro. Foram também entregues os galar­dões escolares (1966/67) aos alunos: António Francisco Palma Ferreiro (Prémio D. Dinis­Soe, Central de Cervejas - Melhor aluno); Maria Elisabete Guerreiro (Prémio da Comis­são Distrital de Ação Social - Melhor aluno em Formação Corporativa); Casimiro Afonso da Assunção Porflrio (Prémio Rotary Clube de Faro - melhor aluno finalista) e a Maria do Céu Simplício Quítalo (Prémio Conselho Escolar - melhor aluno em aproveitamento com­duta ).

26 de Novembro de 1967 - No Hotel EVA, em Faro, decorreu um jantar de ho­menagem e despedida ao Dr. Jorge Andrade Monteiro que, após 8 anos na Direção da Es­cola foi nomeado para Diretor Geral do Ensino Secundário.

27 de Dezembro de 1967 -Foi empossado nas funções de Diretor da Escola o Dr. António José Almeida e Silva, que vinha desempenhando o cargo de Subdiretor. No mesmo ato foi prestada homenagem ao então Tenente da Armada João de Deus Pires Ca­rocho, que era professor e foi mobilizado para o Ultramar.

07 de Janeiro de 1969 - Nas instalações da Casa dos Rapazes, instituição onde foram internos muitos e conhecidos costeletas, alguns dos quais já nos deixaram, foi ho­menageado o empresário algarvio e «costeleta» Aníbal da Cruz Guerreiro, pela relevante ação desenvolvida à frente da Instituição desde 1961.

15 de Maio de 1969 - A Escola Industrial e Comercial de Faro prestou signi­ficativa homenagem ao sr. José Guerreiro Viegas ( o senhor Viegas), chefe do Pessoal Me­nor e nosso antigo colega pelos 25 anos de exemplar serviço, quer nesta Escola, como nas suas antecessoras - Tomás Cabreira e Serpa Pinto. O homenageado foi dedicado pai do nosso colega, professor e antigo e dedicado dirigente da nossa Associação, Dr. Libertário dos Santos Viegas.
JOÃO LEAL

quinta-feira, 12 de março de 2020

CRÓNICA DE JOÃO LEAL



RAFAEL CORREIA,

UM HOMEM GRANDE DA RÁDIO PORTUGUESA
Foi, sem a menor dúvida, um dos maiores jornalistas da rádio portuguesa, no último quartel do século passado e princípios deste tempo atual, aquele que se chamou Rafael das Neves Correia. O mediático realizador de «Lugar ao Sul» que, transmitido pela Antena 1, o País, todo o País, escutava atento e venerador, naquelas manhãs dos Sábados. Era o ho­mem, do litoral à serra, sem olvidar o barroca!; eram-no as gentes autênticas sem artificia­lismos nem retoques, apenas elas; acompanhavam-nos as orquestras da Mãe Natureza num panteísmo que nos metia dentro da própria reportagem.
Rafael Correia foi outro irmão gémeo do musicólogo Giacometi capturando na sua «Nagra» o mundo todo e todo o mundo numa vivência única. Depois era o montar, o ali­nhar, o colar segundo a segundo vozes e sons, sensibilidades e haveres de quem tinha um universo num «mão cheia de nada e outra de coisa nenhuma». Como o escreveu a jornalis­ta Fernanda Câncio, no «Diário de Noticias» «fez da solidão uma espécie de missão» e vi­via nesse missionar peregrino, semana após semana, um lugar de encontro, de cívica e par­ticipada assembleia magna, o mostrar toda autenticidade, nas tradições, nos dizeres,e fala­res, nos cantares e tocares, as músicas, as gentes, os pássaros e os voares, do que de mais verdadeiro tinham o Algarve e o Alentejo. «Lugar ao Sul foi o mais belo programa da rádio jamais feito sobre a terra, as gentes, os costumes, a cultura do Sul do Continente Português», ditou esse grande senhor da Comunicação Social, que é Adelino Gomes. Natural da freguesia rural de Santa Bárbara de Nexe, no concelho de Faro, onde nasceu há 82 anos, faleceu vítima de doença incurável que suportou, com notório estoicismo durante mais de uma década. Frequentou o ensino secundário na Escola Tomás Cabreira onde tivemos a dita de o ter como colega, tal como a honra de sermos amigos ao longo de toda a vida e juntos trabalhámos no então Emissor Regional do Sul da E.N., o alcunhado de «Rádio Alfarroba». Concluído o Curso Geral do Comércio entrou no «mundo do trabalho» como bancário e professor de Inglês. Mais tarde emigrou para a França e Inglaterra (1972 / 74), onde trabalhou nessa catedral que é a prestigiada BBC, regressando a Faro e ingressando na Rádio Pública, onde esteve, com a maior dignidade e valor até 2008.
Foi a sepultar no dia em que outro poeta algarvio, o messinense João de Deus, faria o seu aniversário natalício. Lá estavam muitos dos seus companheiros e amigos, entre os quais a Associação dos Antigos Alunos da Escola Tomás Cabreira, quer no velório ( o Pre­sidente Florêncio V argues ), como no funeral ( a sempre Diretora Isabel Coelho), sendo depositada uma coroa de flores junto ao féretro e com ela a nossa saudade.                     João Leal

terça-feira, 10 de março de 2020

QUANDO A POESIA ACONTECE

CANCELADO
De: Elos Clube de Faro - Associação Cultural
    "Em defesa da Língua e Cultura Portuguesas"

Prezados Companheiros e Amigos,

Próxima quarta-feira, dia 11 de Março, pelas 17,30,
"Quando a poesia acontece", na Biblioteca Municipal de
Faro, sob o tema:

Nós não somos deste mundo.
- Ruy Cinatti

* Poesia embalada pela voz de Rosinda
com música de Luciano Vargues

Espero por vòs.

Cordiais saudações elistas.

Dina Lapa de Campos   CANCELADO


Estimados Amigos e Companheiros,

Atendendo ao momento que vivemos que nos obriga à
contenção e respeito pela saúde de cada um e não
querendo de forma alguma criar constrangimentos,
venho por este meio informar que a sessão do "Quandoa
poesia acontece" de amanhã, dia 11, na Biblioteca
Municipal de Faro, foi cancelada, pese embora a
biblioteca mantenha as suas actividades até ao momento.
A decisão do cancelamento é da minha inteira responsabilidadee pelo facto peço desculpa e espero poder contar com a vossacompreensão. Voltaremos em Abril.

Presidente da Direcção do Elos Clube de Faro

segunda-feira, 9 de março de 2020

NOVO LIVRO DE POEMAS - Costeleta

LIVRO DE POEMAS




Graciete Felizardo

Recebi, enviado pela EDITORA ARTELOGY, O MEU TERCEIRO LIVRO PUBLICADO
É UM LIVRO de POEMAS, intitulado
"AS CORES DO PENSAMENTO", para quem pretenda adquiri-lo, deverá contactar com a autora, que terá todo o gosto em autografá-lo.
Costeleta - Maria Graciete Felizardo graciete.felizardo@gmail.com

domingo, 8 de março de 2020

TEMPOS IDOS




PROFESSOR JOSÉ DE SOUSA UVA JR.
Em Maio de 1960 deixou, por haver atingido o limite de idade, as suas funções pedagógicas na nossa Escola o sempre recordado Mestre Professor José de Sousa Uva Jú­nior. Durante décadas lecionou, quer na Rua do Município como na Rua Manuel Arriaga, várias disciplinas (Noções Gerais de Comércio, Direito Comercial, Francês, etc.) e foi Di­retor da Escola Tomás Cabreira, havendo desempenhado funções de relevada importância na vida regional, entre as quais na Junta de Província do Algarve, Mutualidade Popular, etc. Natural de São Brás de Alportel, combateu na I Grande Guerra Mundial, como alferes e era um considerado poeta. Na hora de deixar o ensino foi-lhe prestada significativa ho­menagem por uma Comissão constituída por antigos alunos e finalistas de então. O Profes­sor José da Uva haveria de falecer um ano depois (15 de Maio de 1961), com 70 anos de idade, havendo o seu funeral que se efetuou para o Cemitério da sua terra natal, constituí­do uma sentida manifestação de pesar, nela se incorporando uma representação da nossa Escola.
DOUTOR JORGE MONTEIRO
Nos primeiros dias do mês de Outubro (início do ano letivo) do ano de 1960, as­sumiu as funções de Diretor da Escola Industrial e Comercial de Faro o Doutor Jorge Fer­nandes de Andrade Monteiro, as quais desempenhou durante alguns anos, com grande apreço, competência e dedicação, a par e com igual mérito de professor.
«COSTELETA» GANHA CONCURSO NA RTP
A 4 de Março de 1961 o nosso colega e aluno do Curso Geral de Comércio, Má­rio Octávio Correia José ganhou o l º Prémio do «Concurso de Slogans», promovido pela RTP e BP, com a frase «Víco - Static, um sucesso no progresso», recebendo mil litros de gasolina. Acompanhou-o à estação televisiva o saudoso professor de «Técnicas de Vendas e Publicidade», Dr. Amílcar Quaresma de Almeida.
HOMENAGEM A MÁRIO ZAMBUJAL
A 3 de Março de 1963 foi alvo de um banquete de homenagem, que decorreu no Hotel Aliança, em Faro, por motivo da sua ida para Lisboa, a fim de abraçar a carreira de jornalista, o «costeleta» Mário Zambujal, hoje um dos nomes maiores da literatura portu­guesa contemporânea.
JOÃO LEAL

sábado, 7 de março de 2020

GRUTAS DO ALGARVE

Cerro da Cabeça

AS GRUTAS DO CERRO DA CABEÇA

São de uma grande referência no património espeleológico, natural e histó­rico do Algarve as «grutas do Cerro da Cabeça», situadas a 249 metros de altitude na ele­vação mais oriental da Serra do Monte Figo, na freguesia de Moncarapacho, do concelho de Olhão. Famosas o são as suas estalactites, estalagmites e outras formações rochosas e um grande abrigo de morcegos que ali têm o seu habitat, constituindo «um monumento natural por via das suas formações cársicas com o maior lapiás do Sul do País».
Recentemente este indiscutível e ímpar património olhanense, tão esquecido como vilipendiado, foi analisado no decurso da meritória iniciativa da Câmara Municipal de São Brás de Alportel, «De Setembro a Abril, memórias mil» e em reunião científica e cultural que teve lugar no Centro Explicativo e de Acolhímento da Calçadinha e onde o reputado espeleologista Mestre Frederico Tatá Regala (Docente da Universidade do Algar­ve e Técnico Superior da Direção Regional de Cultura) dissertou sobre «Grutas do Algar­ve enquanto património cultural», explanando sobre as cerca de 90 cavidades cársicas da nossa Região, com referências desde os Neandertais às Mouras Encantadas.
Nas grutas do Cerro da Cabeça, a mais de 60 metros de profundidade e até aos 90 metros, pudemos encontrar as da Algar Medusa, Algar Maxila e Algar João como, os quantos já lá o estiveram o descrevem e descritas, incluídas nas cerca de 9 dezenas exis­tentes na região algarvia e de acordo com o excelente «Inventário das Grutas do Cerro da Cabeça», elaborado pelo Centro de Estudos Espeleológicos do Algarve.
A quando da nossa residência no concelho de Olhão (1958 / 1970) e, de modo especial na presidência de Alfredo Timóteo Ferro Galvão na presidência autárquica, traba­lhámos no sentido do aproveitamento desta riqueza natural, sua preservação, valorização e integração na oferta turística como acontece em Portugal (Santo António, Alvelos, Mira de Aire, etc.) e no estrangeiro. Sendo o local propriedade da Santa Casa da Misericórdia de Moncarapacho devíamos a constituição de uma sociedade envolvendo esta Instituição, o Município e a Comissão Regional de Turismo do Algarve, então a surgir. A ideia aplaudi­da, nunca conheceu, até hoje, qualquer evolução.

JOÃO LEAL