quarta-feira, 19 de setembro de 2018


De Florêncio Vargues

Os dias uns são melhores do que outros, com noticias boas e menos boas.
Hoje, foi um dia dos menos bons. Ao passar pelo Cemitério da Esperança, reparei que tinha perdido um amigo e colega da Escola Industrial e Comercial de Faro, com o qual partilhei momentos de alegria nas atividades da M.P. assim, como em vários acampamentos.
Nesse sentido de pesar, aqui deixo os meus sentidos pêsames à sua Família e, que descanse na Paz do Senhor.

OBS: Para todos os que andaram na Escola Industrial e Comercial de Faro, tomo a liberdade de colocar uma foto do referido amigo e colega:

Mais um Costeleta que partiu...

CONVÍVIO ANUAL DOS ELECTRÕES

OITAVO CONVÍVIO DOS ELECTRÕES

Florêncio Vargues

Realizou-se dia 8 de Setembro no Restaurante Austrália, o oitavo (8) convívio dos ELECTRÕES - ex. alunos da Escola Industrial e Comercial de Faro do Curso de Formação Montador Electricista, que teve como ponto de encontro a entrada principal da nossa Escola. De imediato foi iniciado o percurso em direção ao restaurante onde já lá se encontravam alguns ELECTRÕES.

O elevado número dos ELECTRÕES presentes, uns deslocaram-se do Distrito de Faro assim, como outros vieram de outras paragens deste nosso PORTUGAL, como São Pedro do Sul, alguns fizeram-se acompanhar de seus Familiares diretos.
Foi, revelante a presença de alguns pela primeira vez. Alguns que não se viam à cinquenta (50) anos foi um relembrar de belos tempos passados na nossa ESCOL Assim como por razões profissionais os levaram a outras paragens. Pois, nem todos nós, tivemos o condão de seguir cursos superiores ou sermos empresários de referência- Mas, o que nos move, é, na realidade a união e o convívio que foi adquirido ao longo dos anos enquanto alunos da ESCOLA.
Sendo o recinto do Restaurante Austrália o segundo ponto de encontro de todos nós, onde se fizeram os primeiros cumprimentos da praxe, deu-se a entrada no Restaurante, onde estava à espera de todos NÓS uma mesa bem composta de entradas e, uma ementa bem preparada pelo pessoal do Restaurante Austrália com funcionários cinco (5) estrelas. Em nome da Comissão organizadora o nosso obrigado pelo excelente serviço.
No entanto, antes, foi, dada as boas vindas a todos os presentes, masculinos e femininos, com uma saudação especial para os que pela primeira (1) vez marcaram a sua presença. Também foi feito uma singela homenagem aqueles que nos deixaram, com um minuto de silêncio.
O convívio, prolongou-se para além do almoço, tendo o colega Fernando Sousa pedido a nossa colaboração na divulgação do seu primeiro livro onde faz a história de: OS MEUS PRIMEIROS 70 ANOS a qual foi feita, obtendo alguma aderência por parte dos colegas.
O referido convívio terminou com palavras de apreço e, votos de continuidade do mesmo, tendo a referida Comissão colocando-se à disposição para a realização do nono (9) convívio.
A despedida foi com um até breve.

A Comissão Organizadora

Uma pequena reportagem fotográfica
do acontecimento.








INFORMANDO


Segundo sabemos o JOÂO MANJUA LEAL encontra-se internado mo Hospital de Faro, onde deverá ser sujeito a uma operação cirúrgica.
Esperamos que tudo corra bem.

Roger


domingo, 16 de setembro de 2018

CRÓNICA DE JOÃO LEAL



«MONTADORES  ELETRICISTAS»  EM  ABRAÇO  SOLIDÁRIO  DE  «COSTELETAS»
Foi  mais  uma  expressiva  jornada  da  muita  amizade  gerada  na  Escola  Tomás  Cabreira  (  então  oficialmente  designada  por  Escola  Industrial  e  Comercial  de  Faro)  a  que  juntou  os  então  alunos  do  prestigiado  Curso  de  Formação  de  Montador  Eletricista,  em  especial  da  década  de  60  do  século  passado.  Decorreu,  com  a  participação  de  dezenas  destes  antigos  «costeletas»  o  almoço  /  convívio  decorreu  no  Restaurante  Austrália,  no  Ameiro  (arredores  de  Faro,  na  E.N.  125)  e  foi  organizado  este  abraço  solidário  por  uma  Comissão  constituída  pelos  antigos  colegas  Florêncio  Vargues  (presidente  da  nossa  Associação),  Luciano  Sousa  e  Hilário  André.  Os  «montadores  eletricistas  de  então»  princi­piaram  este  7º  encontro  reunindo-se  à  entrada  das  instalações  da  nossa  Escola.  Solidariedade,  fraternidade,  amizade  e  um  constante  desfilar  de  recordações  e  lembranças  estiveram  em  nota  alta.
JOÃO  LEAL

quinta-feira, 6 de setembro de 2018

NAVIO ESCOLA SAGRES E CARAVELA BOA ESPERANÇA NO CAIS DE FARO


 O Navio Escola-Sagres entra na barra Faro-Olhão e navega na Ria Formosa
E atraca no cais comercial da capital Algarvia.

O Navio-Escola Sagres atracou esta quarta-feira, em Faro. De forma discreta, debaixo de um céu carregado e de alguns pingos de chuva, o navio entrou na barra de Faro-Olhão ao nascer do Sol e seguiu a motor para o Cais Comercial de Faro, onde chegou cerca das 7h00.
Esta é a primeira visita do veleiro da Marinha Portuguesa à capital algarvia, onde irá ficar até sábado, dia 8 de Setembro. Para fazer parte das comemorações do aniversário da Cidade de Faro que se celebram no dia 7.
A Caravela BOA ESPERANÇA (uma réplica dos descobrimentos) também está atracada no cais comercial de Faro 


Os navios estarão presentes para visitas.

quarta-feira, 5 de setembro de 2018

CRÓNICAS DE JOÃO LEAL



REABRIU  O  MUSEU  RAMALHO  ORTIGÃO  QUE  FOI  DA  ESCOLA  PEDRO  NUNES
Em  Faro,  no  edificio  do  Departamento  Marítimo  do  Sul.  Junto  à  Doca,  reabriu,  devidamente  restaurado,  o  Museu  Marítimo  Almirante  Ramalho  Ortigão,  após  o  incêndio  que  sofrera  em  2015.  Para  além  da  valorização  cultural  e  turística  da  capital  algarvia  este  espaço  está  profundamente  ligado  à  nossa  Escola,    que  o  mesmo  se  iniciou  como  «Museu  da  Indústria  do  Mar  da  Escola  Pedro  Nunes»  -  antecessora  da  Escola  Tomás  Cabreira,  reunindo  em  1931,  por  iniciativa  do  farense  Almirante  Ramalho  Ortigão,  coleções  que  estiveram  patentes  na  Exposição  Universal  de  Lisboa  realizada  em  1930.  Foi  no  ano  de  1931  que  o  Museu  Marítimo  abriu  no  então  edificio  episcopal,  situado  no  Largo  da  Sé,  paredes  meias  com  a  nossa  Escola  que  aquele  ilustra  oficial  da  Marinha  reabriu  este  espaço  cultural  que  passou  a  ter  o  seu  nome,  numa  merecida  homenagem  em  1946.  Foi  local  de  muitas  yisitas  das  várias  gerações  de  «costeletas»,  reunindo,  tal  como  hoje  réplicas  de  navios.  Aparelhos,  artes  de  pesca  e  mariscultura,  pinturas,  etc.
O  Museu  Marítimo  Almirante  Ramalho  Ortigão  comporta  três  salas  dedicadas  aos  artistas  e  mecenas  Baldaque  da  Silva,  Prof.  Carlos  Lyster  Franco  (diretor  da  Escola  Tomás  Cabreira)  e  Manuel  Bivar.
E  a  sugestão  aqui  fica  para  a  Ex.ma.  Direção  da  nossa  Associação  -  e  se  um  destes  dias  fôssemos  de  abalada  até  ao  Museu  Ramalho  Ortigão  para  recordar  tempos  idos  e  fazer,  como  no  passado  as  desejadas  «visitas  de  estudo»?
JOÃO  LEAL

terça-feira, 4 de setembro de 2018

VAI ACONTECER


"Quando a poesia acontece"- dia 12 de Setembro


x

Elos Faro 


Data: Faro, 03-09-2018

De: Elos Clube de Faro - Associação Cultural
    "Em defesa da Língua e Cultura Portuguesas"

Prezados Companheiros e Amigos,

Estamos de volta!!!

Próxima semana, quarta-feira, dia 12 de Setembro, pelas 17,30h,
na Biblioteca Municipal de Faro - "Quando a poesia acontece"
sob o tema:

Eu sou do sul que cheira a maresia
Sou filha deste mar, do céu azul
Sou gaivota branca sobre a Ria…
Sou ave migratória rumo ao Sul!

- Maria José Fraqueza

Vamos homenagear a nossa cidade e o nosso Algarve

* Poesia embalada pela voz de Rosinda
com música de Luciano Vargues

Espero por vòs.

Cordiais saudações elistas.

Dina Lapa de Campos
Presidente da Direcção do Elos Clube de Faro

CRÓNICAS DE JOÃO LEAL



CRÓNICAS  DO  MEU  VIVER  OLHANENSE
LXI  -  O  JOÃO  PARRA
É  uma  velha  e  fraterna  amizade  a  que  me  une,  desde  Outubro  de  1947,  a  completar  mais  de  70  anos  (  como  o  tempo  voou!)  aquele  que  foi  um  dos  nomes  maiores  do  futebol  algarvio  e  nacional,  o  João  Teófilo  Salério  Parra.  Juntos  vamos  frequentar  a  Escola  Técnica  Elementar  Serpa  Pinto,  um  novo  esquema  de  ensino,  similar  ao  então  1  º  ciclo  liceal,  nas  instalações  do  ex  -  Liceu  João  de  Deus,  junto  à  Alameda,  que  entretanto  fora  para  novo  edificio.  Era  um  ensino  destinado  a  todos  aqueles  que  prosseguiram  estudos  nos  cursos  de  índole  profissional  (comércio  e  indústria),  cuja  carência  continua  a  ser  uma  das  grandes  lacunas  do  nosso  sistema  educativo.  Por  motivações  de  ordem  alfabética,  que  à  época  se  processavam  na  elaboração  das  turmas,  os  dois  foram  numerados  de  9  e  10  do  1  º  ano   turma  com  um  conjunto  de  saudosos  professores,  desde  o  diretor  o  sempre  lembrado  pintor  Mestre  Dr.  Valadas  a  uma  equipa  de  verdadeiros  formadores,  que  em  muito  contribuíram  para  a  nossa  educação,  entre  os  quais  nesse  ano  inaugural  o  Prof.  Américo,  o  Dr.  Mealha,  a  Dra.  Maria  da  Conceição  Sintra,  o  Eng.  Diamantino  Piloto,  os  Mestres  Mário  Pereira,  José  de  Brito  e  António  Nicolau,  a  Prof.  Dinorah  Pascoal,  o  Cónego  Vieira  Falé  -  aquém  reiteramos  o  nosso  profundo  reconhecimento.  Mantive  sempre  (  como  recordo  o  regresso  dos  «três  mosqueteiros»  chamados  à  Seleção  Nacional  de  Juniores  -  o  João  Parra,  o  Manuel  João  Poeira  e  o  Nuno  Agostinho,  à  nossa  Escola  e  o  orgulho  desmedido  que  deles  tínhamos!).  Vida  fora,  cursos  acabados,  o  João  Parra  optara  pelo  sector  industrial  e  eu  pelo  comercial),  a  amizade  prosseguiu,  mesmo  quando  este  craque  do  Olhanense,  de  que  foi  uma  estrela  maior,  exibia  o  seu  talento  pelos  campos  do  País.  Não  obstante  as diferenças clubistas  e  pese  rivalidade  então  existente  a  estima  fraterna  prosseguiu  e  hoje,  volvidas  quase  sete  décadas  mantém-se.  João,  que  Deus  te   a  saúde  e  a  sorte  que  bem  mereces  e a  tua  fraterna  estima  é  uma  das  grandes  referências  da  minha  ligação  à  hoje  «Cidade  de  Olhão  da  Restauração».
JOÃO  LEAL

PARABÉNS A VOCÊ


Digníssimos colegas costeletas: como Presidente da nossa Associação, venho por este meio associar-me à menagem que o nosso colega Rogério "Roger" publicou no blog, expressando também os meus parabéns a todos os costeletas que cumpriram mais um aniversário englobando os aniversariantes do corrente mês "Setembro".

Com os meus respeitosos cumprimentos,

O Costeleta

Florêncio Vargues

domingo, 2 de setembro de 2018

SÓCIOS "COSTELETAS" FAZEM ANOS



SETEMBRO    ANIVERSÁRIOS                                                                                                                                    
                      DIA

                        01        Diamantino Martins Cavaco Barriga
                        02        Jorge Serrano Gonçalves Rosa
                        03       António Manuel  Conceição Vale
                        03        Francisco Gomes Abreu Vivaldo
                        03        Maria Isabel Trindade Carvalho Monteiro
                        07        Lígia Conceição Gonçalves Correia Martins
                        08        José Morgado Norte
            09        Sérgio Fernando Pires Anica
                        10        Adriano Belo Carvalho
                        11        António Camilo Nascimento
                        11        Custódio D. Mendonça
                        13       Marília Brito Barros
                        15        Maria Célia Sousa Matoso Viegas Matias
                        16        António Serafim Barão
                        17        Custódio Manuel Santos
                        17        Jorge Manuel Matos Roque
                        18        Carlos Manuel Sousa Eloy Guerreiro       
                        19        Apolinário Farias Geada
            22        Eugénio Estêvão Filipa Dionísio
                        23        Aníbal Aleixo Filipe
            23        Lucília Maria Campos Carneiro Telo Pereira
                        25        Lídia Rosa Nunes
            27        José Egídio Rosário Gouveia
                        28        Diogo Costa de Sousa
                        28        Maria Celeste Gonçalves Pereira Baptista
                        29        Manuel Palma Pires

                      PARABÉNS  A  VOCÊ

sexta-feira, 31 de agosto de 2018

EM FARO



MERCADILHO



A União das Freguesias de Faro (Sé e São Pedro) decidiu reativar um mercado secular, que ocorria entre a atual Rua das Alcaçarias e a atual Praça da Liberdade (Praça da Pontinha).
Neste sentido pretendemos realizar mais três edições deste mercado que  funcionará às sextas-feiras e sábados entre as 19h00 e as 24h00 na Praça da Pontinha, em Faro.
As edições previstas são:
· 5ª Edição  - 31 de agosto e 1 de setembro
· 6ª Edição – 7 e 8 de setembro
· 7ª Edição – 14 e 15 de setembro
A participação em cada edição deste mercado tem o custo de participação de 5 €uros (dois dias incluídos) e os participantes deverão trazer as suas próprias bancas. Para além disso deverão obrigatoriamente estar vestidos com  trajes  mouriscos/islâmicos ou medievais.  As bancas poderão ser sobre mesas cobertas por serrapilheira, mantas ou outro material adaptado para feiras medievais ou no chão, devendo ter o mesmo material.
Recorde-se que após a conquista de Faro em 1249, D. Afonso III, com receio que os mouros criassem bolsas exteriores de resistência, permitiu a sua fixação nos arrabaldes da povoação. Essa área concedida chamava-se Mouraria e aí os árabes criaram uma zona de mercados diários (as alcaçarias) que ganhou grande importância económica a nível local, para árabes, judeus e cristãos. A Rua das Alcaçarias, em Faro, marca desde há séculos essa zona que já no tempo de D. Manuel I era o centro mercantil de Faro.
Assim, renasce o Mercado das Alcaçarias com o objetivo de reativaram mercado secular na cidade de Faro, promovendo a realização de um mercado de colecionismo, antiguidades, velharias, artesanato, ourivesaria, bijutaria, produtos endógenos, florestais, silvícolas, agrícolas e naturais de forma a fomentar a reutilização de materiais usados, preservar a identidade e a história local e regional, desenvolver um local privilegiado de venda, aquisição e troca de produtos endógenos e objetos antigos e de coleção e fomentar contactos de colecionadores e interessados nestas áreas, para além de procurar promover a história de Faro e o aumento da atratividade e da dinâmica da sua baixa.
Os participantes no Mercado Secular das Alcaçarias podem inscrever-se nas diferentes edições e implica o preenchimento e assinatura da ficha de inscrição e do pagamento de uma taxa (5 €uros por edição) devendo os interessados em participar efetuar a inscrição, através do preenchimento da respetiva ficha de inscrição e entregar por correio, email ou pessoalmente na sede da União das Freguesias de Faro, localizada na Rua Reitor Teixeira Guedes, nº 2 / 8004-026 Faro / Telefone : 289889760 / Email : geral@uf-faro.pt

Com os melhores cumprimentos,
A Assistente Técnica
Ilda Barão
_________________________________________
União das Freguesia de Faro (Sé e São Pedro)
Rua Reitor Teixeira Guedes, 2
8004-026 Faro
Telefone - 289 823490

Emailsaopedro@uf-faro.pt



quinta-feira, 30 de agosto de 2018

NUNCA É TARDE


Sim, nunca é tarde para dizer uma palavra de alento para com aqueles que são nossos familiares, amigos, colegas ou, que andaram connosco na ex. Escola Industrial e Comercial de Faro, hoje Escola Tomás Cabreira ou, que fazem parte da nossa Associação.
Para além de ser o actual Presidente da nossa Associação, sou Humano que me preocupo com os Amigos, 
Nesse sentido e, como  humano e, colega dos colegas; sabendo que a palavra dor: significa sensação penosa ou desagradável, sofrimento, mágoa ou angústia aqui expresso para aquele(es) que estão passando por aquilo que expressei à pouco, os votos de uma excelente recuperação com ESPERANÇA.
O colega COSTELETA;

Florêncio Vargues

terça-feira, 28 de agosto de 2018

FALANDO DE




ILHA BARRETA - FARO

ILHA DESERTA
O “Paraiso do sossego”


Onde fica?
PORTUGAL - ALGARVE



No ponto mais a sul de Portugal continental ainda é possível encontrar areais desertos, mesmo em Agosto. De barco, os ferries que, seis vezes ao dia, fazem a ligação entre Faro e a Ilha Barreta (“Ilha Deserta”). Tem  um único restaurante na ilha (“Estaminé”). Mal se põe o pé na ilha há duas possibilidades à escolha: ir diretamente para o areal, à esquerda, ou seguir pela direita, pelo percurso pedonal de interpretação da ria e das dunas, que se estende desde o cais, ao longo de cerca de dois quilómetros, até ao cabo de Santa Maria, o ponto mais a sul de Portugal continental.
O caminho desenvolve-se através de um passadiço de madeira sobrelevado, de modo a não danificar os frágeis ecossistemas dunares, acompanhando a zona ribeirinha junto à ria, cujas calmas e límpidas águas impõem, de vez em quando, uma paragem, para um refrescante mergulho. Além da paisagem deslumbrante, pelo caminho podem ainda ser observadas algumas das espécies que fazem do Parque Natural da Ria Formosa um verdadeiro santuário para aves aquáticas. O percurso atravessa depois a ilha, terminando mesmo em frente ao Cabo de Santa Maria, o ponto mais a sul, assinalado com uma curiosa instalação artística, a fazer lembrar uma árvore, construída com restos de madeira vindos do mar. À beira-mar, uma constelação de pequenas conchas parece agora indicar o caminho para o paraíso, aqui sob a forma de um areal quase deserto, que se estende ao longo de quase 9 quilómetros. Agora sim, é finalmente tempo de estender a toalha.
Não há em Portugal continental ponto mais meridional. A ilha da Barreta, que a população conhece como Deserta, está ali a um par de milhas da civilização e no entanto guarda a mística dos lugares recônditos.
Chega-se lá por Faro ou por Olhão e, quando o barco atraca, uma pessoa percebe que afinal há um Algarve imaculado – e está mesmo no meio da confusão. Há um areal inteiro com pouca gente, muito menos do que em qualquer outro ponto do Algarve.
A ilha tem um único habitante, e quem ali desagua fá-lo para visitar o Estaminé, um dos melhores restaurantes da costa algarvia. Construído em madeira sobre as dunas, numa arquitetura sustentável que imita o casco de um barco, é toda uma homenagem ao mares do Sul. À mesa também, sobretudo nos petiscos. Amêijoas ou gambas, peixe apanhado no dia, e depois rega-se tudo com um bom copo de vinho branco. Deve ser mais ou menos isto o paraíso.
PARA CHEGAR LÁ



O barco parte do Cais da Porta Nova, em Faro, seis vezes por dia, entre as 10h00 e as 18h00. O percurso leva 35 minutos, com as paisagens da ria para abrir o apetite.
PASSEIO PELA ILHA


 Um arranjo com tudo o que dá á costa...
 Com conchas da própria Ilha








E PODEM CRER...  É UM PARAÍSO DE SOSSEGO!
QUEM LÁ FOR NUNCA MAIS ESQUECE E... VAI QUERER VOLTAR. É O ALGARVE!

Foi um arranjo de pesquisa de Roger